Tokuyama Palfique LX5 Kit

Kit de resinas compostas fotopolimerizáveis supra-nano particulada. Indicado para restauração de dentes anteriores e posteriores, todas as classes.

  • Sistema baseado em Esmalte e Dentina;
  • Ótima para reconstruções em blocos únicos de resina;
  • Efeito camaleão de altíssimo alcance (8 tonalidades);
  • Estética de alta classe;
  • Carga Supra-nanométricas Monodispersas Esféricas-82% peso (72% volume);
  • Alta resistência flexural e de compressão;
  • Polimento magnífico e potencializado.

O que vem no kit?

TECNOLOGIA QUE SIMPLIFICA A SUA ROTINA CLÍNICA

PALFIQUE LX5 é a nova versão da resina composta ESTELITE SIGMA QUICK, produzida desde 2007 pela TOKUYAMA DENTAL, renomada fabricante de produtos odontológicos com sede no Japão. O principal apelo deste compósito é oferecer um equilíbrio entre estética e resistência mecânica, aliada a um modo de uso descomplicado. Para isso, TOKUYAMA investiu na mais alta tecnologia.

As partículas de carga em sílica-zircônia são sintetizadas pelo método sol-gel. Este método possibilita modular o tamanho das partículas e torná-las homogêneas, o que não ocorre no método convencional onde partículas maiores são quebradas em menores sem um controle efetivo do seu tamanho. Além disso, enquanto a maioria dos fabricantes de compósito adquirem esta matéria-prima fundamental de fornecedores externos, a TOKUYAMA mantém o processo internamente na própria fábrica. Isso favorece o controle de qualidade e a constância do produto.

Com formato esférico e monodisperso (homogeneidade de tamanho/forma), as partículas de carga favorecem a difusão uniforme da luz. Somado a um equilíbrio entre o índice de refração do compósito e dente, obtêm-se maior facilidade de mescla da restauração com as estruturas dentais circunjacentes.
O benefício clínico se traduz na capacidade de repor a estrutura dental criando restaurações de limites difusos e assim menos perceptíveis. Este efeito é tão significativo que mesmo aplicando uma cor de resina diferente da cor real do dente, o erro pode passar despercebido.

Por exemplo, ao se aplicar uma cor de resina A2 em um dente de cor A1, B1 ou até mesmo C1, o mimetismo do compósito faz com que o resultado visual seja aceitável em todas as situações.

Veja nessa simulação:

Assitir

O efeito de dispersão ou difusão da luz também pode ser claramente compreendido nesta outra simulação prática:

Assitir

Isso faz com que as cores A1, A2 e A3 do compósito consigam simular quase 80% das cores presentes na escala VITA CLÁSSICA.

Conheça PALFIQUE LX5 e surpreenda-se!

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS*

Fase inorgânica (carga)Fase orgânica (monômeros)
Classificação
Supra-nano particuladaBis-GMA e TEGDMA
Natureza: Silica-zirconia
Morfologia: Esférica
Tamanho médio: 0,2 µm
Monodispersas = todas as partículas têm dimensões homogêneas.
Concentração em peso: 82%
Concentração em volume: 71%

*Fonte: Tokuyama Dental - Japão, dados internos.

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS*

PropriedadeResultadoObservações
Dureza Vickers42 HVConsiderando fotopolimerizador de luz halógena com 800 mW/cm2 de potência, 400-500 nm de comprimento de onda e ativado por 10 segundos
Profundidade de cura4,5 mm
Tempo de trabalho90 segundosConsiderando iluminação ambiente de 10.000 lx
Contração de polimerização linear1,3% 
Tensão de contração0,7 MPa 
Resistência flexural120 MPa 
Brilho superficial92%Espécimes lixados com lixa #1500 + disco Soflex Extra Fino (3M ESPE) por 60 segundos em água
Estabilidade de corΔE 3,2Espécimes imersos em café por 24h a 80o C

*Fonte: Tokuyama Dental - Japão, dados internos.

FAÇA O DOWNLOAD DO PERFIL TÉCNICO DO PRODUTO CONTENDO ESTES E OUTROS ENSAIOS NA ÍNTEGRA.

Sistema simplificado e intuitivo de cores:

cores nomeadas de acordo com a escala VITA, distribuídas em:

a) translúcido (efeito);
b) translucidez moderada (esmalte);
c) opaco (dentina/corpo) e;
d) extra-opaco.

20 cores disponíveis:

NOMEINDICAÇÃOCARACTERÍSTICA

A1

A2

A3

A3,5

A4

A5

B1

B2

B3

B4

C1

C2

C3

ESMALTETranslucidez Mediana
WEESMALTESemi-translúcido Esbranquiçado
OA1

OA2

OA3

DENTINA-CORPOOpaco
BWDENTINAOpaco

Esbranquiçado

OPA2DENTINAExtra-Opaco
CE

CONCHA PALATAL (CL IV)

INCISAL + INTERPROXIMAIS (CL IV)

COBERTURA DE MAMELOS

Translúcido

Incolor

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Cores harmonizam facilmente com a estrutura dental remanescente.  Uma mesma cor pode ser empregada em dentes de diferentes colorações e ainda assim produzir restaurações imperceptíveis. Isso se deve ao equilíbrio dos fenômenos de refração e reflexão da luz, e ao modo como a luz é dissipada na restauração deixando a linha dente/resina difusa. 

Exclusivo sistema de fotoiniciadores com diversos benefícios clínicos:

Menor tempo de fotopolimerização5: os tempos de fotopolimerização variam de 3s a 20s.

uma relação direta do tempo de exposição com a potência do aparelho fotopolimerizador, conforme a tabela:

Elevado tempo de trabalho: 90 segundos exposto a 10.000 lx.

Alguns refletores odontológicos halógenos possuem regulagem de intensidade de luz (ex: de 8.000lx até 30.000lx). Neste caso, pode-se inclusive trabalhar com o refletor direcionado ao campo operatório e ainda assim obter um tempo de trabalho confortável.

Aumento da profundidade de cura e dureza superficial6:

A profundidade de cura revela a profundidade da massa que foi sensibilizada pela luz do aparelho fotopolimerizador. Essa característica interfere diretamente no tamanho dos incrementos a serem inseridos na cavidade durante uma restauração. A dureza apresenta relação direta com a profundidade de cura, e inclusive auxilia na aferição desta. Ambas as características estão ligadas ao sistema fotoiniciador, no caso o RAP, que potencializa a cura do compósito.

Esta é uma característica clínica que impressiona e distingue Palfique LX5 de qualquer outro concorrente mundial. O escoamento equilibrado do compósito faz com que o uso de espátulas e pincéis seja muito agradável, permitindo esculpir em menor tempo clínico. Em estratificações, as camadas são precisamente mescladas facilmente.

O equilíbrio na distribuição, o tamanho homogêneo e a forma esférica regular das partículas de carga combinadas com a matriz resinosa produzem uma superfície lisa e brilhosa para as restaurações. Além da estética, essa característica favorece a baixa adesão bacteriana.

A carga perfeitamente esférica reduz atrito favorecendo o deslize durante abrasão da superfície da restauração, o que evita remoção de partículas superficiais e consequentes imperfeições que possam reduzir lisura/brilho das restaurações.

O grupo Dental Advisor realiza ensaios clínicos controlados com o compósito desde 2007 e o premia desde então. A avaliação clínica comtempla aspectos práticos do produto (ex: acerto de cor e viscosidade) bem como acompanhamento da longevidade das restaurações realizadas (ex: ocorrência de eventuais trincas, deslocamentos, manchamentos, etc.).

Veja em: www.dentaladvisor.com

A instabilidade de cor de um compósito pode ser atribuída a fatores extrínsecos, porém os mais influentes são intrínsecos (inerentes ao próprio compósito). Um material com baixa sorção de água, alta proporção carga/matriz resinosa, reduzido tamanho de partícula, adequado agente silanizador da carga, etc. pode trazer maior estabilidade de cor à restauração, favorecendo o sucesso da restauração a longo prazo, principalmente em áreas estéticas.

A formação de uma rede polimérica gera uma redução volumétrica do compósito. Dependendo da configuração da cavidade e da área da superfície aderida (interface dente-restauração), esse fenômeno pode gerar tensões excessivas que originam microtrincas e fissuras nas margens da restauração. Assim, é fundamental lançar mão de uma técnica restauradora adequada e de um correto protocolo de fotopolimerização, além de utilizar um material restaurador com baixa contração.

A resistência às forças de tração, compressão e flexão podem fornecer importantes indícios da resistência mecânica do material. Restaurações indicadas para dentes posteriores devem apresentar alta resistência para desempenhar adequadamente seu papel reabilitador.

A abrasão ocasionada por alimentos durante o ciclo mastigatório e as tensões geradas por contatos dentais são os maiores fatores externos responsáveis pelo desgaste no material restaurador. Conforme as características do compósito, maior ou menor desgaste pode ocorrer. Essa propriedade deve ser muito equilibrada para que a integridade da restauração seja preservada e ao mesmo tempo não haja desgaste excessivo do dente antagonista ao restaurado devido a excesso de dureza do compósito.

A dureza pode ser definida como a resistência do material à edentação permanente de sua superfície. Esta característica influencia na força mecânica, na rigidez e no desgaste do compósito. O tipo, tamanho e concentração da carga do compósito bem como o grau de conversão de sua matriz resinosa estão correlacionados com esta propriedade.

A opalescência peculiar do esmalte dental pode ser mimetizada com determinadas cores do compósito, recriando este efeito com naturalidade.

A viscosidade equilibrada do material favorece seu assentamento em cavidades, gerando justa interface dente/resina que é essencial para o adequado desempenho da restauração.

Nível de radiopacidade em conformidade com a norma ISO 4049, permitindo diagnóstico imaginológico.

Referências:

Obs: a maioria dos artigos citados referem-se ao compósito PALFIQUE LX5 como “ESTELITE SIGMA QUICK”. Esta é apenas uma diferença de nomenclatura, os compósitos são equivalentes.

1. PEREZ, M. M. et al. Optical Properties Of Supra-Nano Spherical Filled Resin Composites Compared To Nanofilled, Nano-Hybrid And Micro-Hybrid Composites. Dent Mater J, v. 35, n. 3, p. 353-359, 2016.

2. HORIE, K. et al. Influences Of Composite–Composite Join On Light Transmission Characteristics Of Layered Resin Composites. Dental Materials, v. 28, p. 204-211, 2012.

3. BRANTMAN, K. et al. Comparing light propagation between dental tissues and resin-based composites. J Dent Res 96 (Spec Iss A): 0723, 2017 (www.iadr.org).

4. PARAVINA, R.D. et al. Blending Effect of Composites Related to Cavity Size. J Dent Res 83 (Spec Iss A): 256, 2004 (www.iadr.org).

5. HIROSHI, M. et al. Polymerization activity of new resin composite including radical amplifier. J Dent Res 96 (Spec Iss A): 3829, 2017 (www.iadr.org).

6. FERRACANE, J.L. e DAVIS, H.B. RAP initiator improves hardness and DC of experimental composites. J Dent Res 88 (Spec Iss A): 2009 (www.iadr.org).

7. EREIFEJ, N.S., OWEIS, Y.G. e ELIADES, G. The Effect of Polishing Technique on 3-D Surface Roughness and Gloss of Dental Restorative Resin Composites. Operative Dentistry, v. 38, n. 1, 2012.

8. HOSOYA, Y. et al. Effects of polishing on surface roughness, gloss, and color of resin composites. Journal of Oral Science, v. 53, n. 3, p. 283-291, 2011.

9. KAMEYAMA, A. et al. Influence of Finishing/Polishing Procedures on the Surface Texture of Two Resin Composites. The Open Dentistry Journal, v. 2, p. 56-60, 2008.

10. CAN SAY, E. et al. Surface roughness and morphology of resin composites polished with two-step polishing systems. Dent Mater J, v. 33, n. 3, p. 332-342, 2014.

11. HOSOYA, Y. et al. Effects of specular component and polishing on color of resin composites. Journal of Oral Science, v. 52, n. 4, p. 599-607, 2010.

12. YAMAGAWA, J. et al. Gloss change of resin composites after brushing with composite paste. J Dent Res 88 (Spec Iss A): 1748, 2009 (www.iadr.com).

13. GHANTA, H. et al. Effect of material surfaces on bacterial adherence. J Dent Res 94 (Spec Iss A): 2150, 2015 (www.iadr.com).

14. YAMAGAWA, J. et al. Increasing luster of commercial and experimental composites after toothbrushing. J Dent Res 92 (Spec Iss A): 1908, 2013 (www.iadr.com).

15. UYEMURA, K. et al. Gloss comparison of ZNano and other universal composites. J Dent Res 94 (Spec Iss A): 3672, 2015 (www.iadr.com).

16. YAMAGAWA, J. et al. Effect of finishing time on polishability of resin-based composites. J Dent Res 89 (Spec Iss A): 1041, 2010 (www.iadr.com).

17. CAN SAY, E. et al. Effect of polishing on surface roughness and morphology of composites. J Dent Res 92 (Spec Iss B): 411, 2013 (www.iadr.com).

18. ISHIKAWA, A. et al. Gloss of composite resins at various stages of polishing. J Dent Res 92 (Spec Iss A): 659, 2013 (www.iadr.com).

19. AKIZUMI, H. et al. Gloss and Roughness of Resin Composite Containing Supra-nano Spherical Filler. J Dent Res 88 (Spec Iss A): 2009 (www.iadr.com).

20. IINO, M. et al. Polishing methods and surface characteristics of bulk fill resin composites. J Dent Res 97 (Spec Iss C): 2994, 2018 (www.iadr.com).

21. POWERS, J.M. et al. Color, Translucency and Gloss of Resin Composites. Dent Res 84 (Spec Iss C): 303, 2005 (www.iadr.com).

22. LEE, Y.K. et al. Changes in gloss after simulated generalized wear of composite resins. J Prosthet Dent, v. 94, p. 370-376, 2005.

23. DANG, D. et al. Polishability and toothbrush surface gloss of composite resins. J Dent Res 97 (Spec Iss A): 1628, 2018 (www.iadr.com).

24. FRON, H. et al. Effectiveness Of A New One-Step Self-Etch Adhesive In The Restoration Of Non-Carious Cervical Lesions: 2-Year Results Of A Randomized Controlled Practice-Based Study. Dental Materials, v.27, p. 304-312, 2011.

25. LEE, Y.K. et al. Difference in the color stability of direct and indirect resin composites. J Appl Oral Sci, v. 19, n. 2, p. 154-160, 2011.

26. SABATINI, C. Color Stability Behavior of Methacrylate-based Resin Composites Polymerized with Light-emitting Diodes and Quartz-Tungsten-Halogen. Operative Dentistry, v. 40, n. 1, 2015.

27. SARAFIANOU, A. et al. Color Stability and Degree of Cure of Direct Composite Restoratives After Accelerated Aging. Operative Dentistry, v. 32, n. 4, p. 406-411, 2007.

28. CAVALCANTE, L.M. et al. Effect of nanofillers on surface properties after toothbrush abrasion. J Dent Res 86 (Spec Iss B): 544, 2007 (www.iadr.com).

29. KUPRADIT, P. et al. Color Stability of resin composites after immersion in coffee beverage. J Dent Res 93 (Spec Iss C), 2014 (www.iadr.com).

30. PAPADOPOULOS, T. et al. Color stability of dental composites after thermocycling and photoaging. J Dent Res 84 (Spec Iss C), 2005 (www.iadr.com).

31. SHIBASAKI, S. et al. Polymerization Behavior and Mechanical Properties of High-Viscosity Bulk Fill and Low Shrinkage Resin Composites. Operative Dentistry.

32. BECK, P. et al. Polymerization Shrinkage of Nine Highly-Filled Composite Materials. J Dent Res 90 (Spec Iss A): 606, 2011 (www.iadr.com).

33. KAGA, S. et al. Polymerization shrinkage ratio of various resin composites. J Dent Res 88 (Spec Iss A): 2441, 2009 (www.iadr.org).

34. PALMER, T.M. et al. Volumetric Shrinkage of "Low Shrinkage" Composite Resins. J Dent Res 84 (Spec Iss A): 296, 2005 (www.iadr.org).

35. BECK, P. et al. Polymerization shrinkage of nine highly-filled composite materials. J Dent Res 90 (Spec Iss A): 606, 2011 (www.iadr.com).

36. KAGA, S. et al. Polymerization shrinkage ratio of various resin composites. J Dent Res 88 (Spec Iss A): 2009 (www.iadr.com).

37. TAKAMIZAWA, T. et al. Volumetric Shrinkage of a Newly Developed Low Shrinkage Composite. J Dent Res 89 (Spec Iss A): 2010 (www.iadr.com).

38. LU, H. et al. Properties of a Dental Resin Composite with a Spherical Inorganic Filler. Operative Dentistry, v. 31, n. 6, p. 734-740, 2006.

39. ADEBAYO, O. et al. Fracture toughness test; a comparison of two test methods. J Dent Res 90 (Spec Iss B), 2011 (www.iadr.org).

40. UYEMURA, K. et al. Gloss comparison of ZNano and other universal composites. J Dent Res 94 (Spec Iss A): 3672, 2015 (www.iadr.com).

41. NIHEI, T., et al. Wear Resistance of resin-based commercially restorative composites. J Dent Res 90 (Spec Iss B): 16, 2011 (www.iadr.org).

42. YANIKOGLU, N. et al. Effects of different solutions on the surface hardness of composite resin materials. Dent Mater J, v. 28, n. 3, p. 344-351, 2009.

43. YU, B., e LEE, Y.K. Difference in opalescence of restorative materials by the illuminant. Dental Materials, v. 25, p. 1014-1021, 2009.

44. NAHEDH, H.A. e SIBAI, N.S. Evaluation of Interfacial Gap Volume of Two Low-shrinkage Composites Using Micro–Computed Tomography. Operative Dentistry, v. 42, n.6, p. 658-668, 2017.

45. ERMIS, R.B. et al. Radiopacity evaluation of contemporary resin composites by digitization of images. European Journal of Dentistry, v.8, n. 3, p. 342-347, 2014.

46. DAI, Q. et al. Staining of resin composites. J Dent Res 93 (Spec Iss A): 515, 2014 (www.iadr.org).

TOP